O porquê da guerra entre Israel e Hamas?

(Bombardeio israelense em Gaza (Mahmud Hams / AFP)

Saiba tudo sobre esse conflito histórico e o porquê da guerra entre Israel e Hamas

A guerra entre os Judeus e Palestinos é um conflito de longa data no Oriente Médio. O Hamas é uma organização islâmica (Palestina) que obtém o controle da Faixa de Gaza desde 2007. O Conflito entre as 2 partes vem de muito tempo, e a guerra entre as partes é principalmente por questões territoriais e brigas por Jerusalém, local sagrado pelas culturas Islâmicas, Judaica e Cristã.

Quem é o Hamas?

O Hamas é uma organização islâmica palestina, um levante palestino contra a ocupação israelense, sobre locais considerados de pertencimento palestino. Seu nome é uma sigla em árabe para “Movimento de Resistência Islâmica”. O grupo é presente na Faixa de Gaza e consiste em uma parte importante do cenário político palestino, considerado por muitas organizações internacionais como um grupo terrorista.

O Hamas tem como sua cartilha ideológica a reocupação das áreas palestinas, à destruição de Israel e a criação de um Estado islâmico na região. O grupo é conhecido por seu envolvimento em atividades militares, incluindo ataques com foguetes contra Israel.

Povo Judeu

Durante a colônia britânica nas décadas de 20 à 40, milhares de judeus migraram para a região palestina.

Após o Holocausto e a criação do estado de Israel em 1948, a quantidade de judeus na área cresceu expressivamente. Hoje, os israelenses são cerca de 8 milhões e meio e a maioria vive dentro das fronteiras do estado de Israel. Mais de meio milhão vive em assentamentos localizados nos territórios ocupados da Cisjordânia e Jerusalém Oriental.

Ao longo dos anos, eles cresceram muito  em número e população.

Histórico do confronto

Nos últimos anos, os confrontos vêm acontecendo com lançamento de foguetes em locais estratégicos, ataques a militares na região de Gaza pelo grupo Hamas e militares Israelenses.

Apesar de ciclo de ataques e clima hostil, nada foi tão contundente e impactante como o ataque contra civis em Israel que aconteceu no dia 07 de outubro de 2023. Além de ataques estratégicos de ambas as partes e organizações internacionais envolvidas nesse caso do conflito por território.

A área de Jerusalém é um ponto de inflexão. Com áreas consideradas sagradas dentro de Jerusalém pelas 3 orientações religiosas de maior relevância na região, o Judaísmo, Islamismo e o Cristianismo, fazem com que a região se torne um problema impar nas relações diretas entre os Palestinos e Judeus.

Diante de todo esse cenário, a anos vem sendo constituído esforços internacionais para encontrar uma solução duradoura para esse conflito, porém têm sido desafiador, e as tensões persistem na região.

Atualmente

O atual conflito voltou a esquentar devido aos ataques do grupo islâmico terrorista Hamas contra civis no sul de Israel no dia 7 de outubro de 2023, além de misseis lançados, acarretando  muitas vítimas fatais e mais de 240 reféns se tornando o pior ataque contra os israelenses nos últimos 50 anos.

(crédito: Mahmud Hams/AFP)

Consequências dos ataques

Após os ataques do Hamas cerca de milhares de pessoas foram vitimadas e chocou o mundo. Israel por sua vez revidou aos ataques, primeiramente cortando água e luz, bombardeando a faixa de Gaza.  Cerca de milhares de pessoas morreram na faixa.

Segundo comunicação de Israel, só serão liberados água e a luz quando os reféns presos pelo grupo Hamas, forem liberados.

As últimas declarações do primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, foram enfáticas em dizer que a guerra contra o Hamas perduraria mais alguns meses, não haveria entendimento contra a pressão internacional, e que a guerra continuaria até conseguir destruir todo o poder militar e toda a estrutura do grupo Hamas.

(crédito: Mahmud Hams/AFP)

Foi aprovado através do parlamento israelense um orçamento extra de 68 bilhões de reais para a continuidade da guerra. Israel vai continuar a expansão das operações militares.

Apesar dos conflitos recentes, existe uma briga histórica, cultural e religiosa que perdura séculos. Apesar de muitas tentativas de intervenções e acordos. Sempre uma das partes não ficarão totalmente satisfeitas e assim nunca chegam ao denominador comum.

Interesses religiosos pelos povos de cada uma das nações são extremamente importantes para entender a base desse conflito. Esperamos que um dia consigam chegar a esse acordo, Jerusalém é o ponto chave.

 

Leia também : Calor extremo no mundo, o que está acontecendo?

Post Comment